Voltar a página inicial Acessar o site da RFS

1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011

example6
Jornal da Rede, do mês de fevereiro
, apontou as agendas da articulação nacional. Este foi um ano chave para o movimento de mulheres e feministas. No plano internacional a Conferência das Nações Unidas sobre População e Desenvolvimento, realizada em setembro no Cairo/Egito. Nesse mesmo ano, as ações estão voltadas para a IV Conferência Mundial da Mulher, em Pequim/China. No Brasil, a revisão do texto constitucional mobilizou a sociedade.

O movimento feminista exerceu pressão para que a nova formação do Congresso Nacional fosse convergente com a defesa do exercício pleno da cidadania para as mulheres e homens, contribuindo para a construção de uma nova ética na política. O propósito da militância foi assegurar os direitos conquistados em 1988.





De 24 a 28 de janeiro reuniram-se no Rio de Janeiro 227 mulheres de 79 países, em evento preparatório para a Conferência Internacional de População e Desenvolvimento marcada para o Cairo, Egito. As discussões abordaram a temática “Saúde Reprodutiva e Justiça: Conferência Internacional da Saúde para Cairo/94”.



Realizado em Itapecerica da Serra (SP), de 7 a 9 de abril
, o II Encontro Nacional Feminista de Saúde e Direitos Reprodutivos. O evento, com participação da Rede Feminista, teceu considerações sobre a violência como um fator epidemiológico inerente à saúde e aos direitos reprodutivos. Os debates deram ênfase ao enfrentamento da violência sexual e doméstica e foram traçadas metas para aprofundamento das ações nas área de Aids, mortalidade materna, maternidade, gênero e comunicação.



A participação organizada das mulheres negras foi significativa
. Elas protagonizaram a formulação da Declaração de Itapecerica da Serra, um documento histórico, atual ainda hoje, ao recusaram posições que responsabilizavam o crescimento da população pela pobreza, a fome e o desequilíbrio ambiental, e identificaram a perversa distribuição de renda e a concentração da terra como os responsáveis pela miséria no país.

Aborto Legal e sem Risco para todas as Mulheres foi o tema da Campanha Contra a Mortalidade Materna - 28 de Maio - Dia Internacional de Luta contra a morbi-mortalidade materna. O objetivo foi chamar a atenção das autoridades públicas e da população para esta séria questão de saúde pública.


Hospital
Hospital Pérola Byington, um dos mais importantes centros de referência de saúde da mulher da cidade de São Paulo, passou a atender casos de aborto previsto em lei. O hospital mantém um programa que está inserido no serviço com amplo atendimento a vítimas de violência.

Antes, em 1989, o governo da prefeita Luiza Erundina criou o Serviço de Aborto Legal, em São Paulo, que passou a funcionar no Hospital Jabaquara. O Serviço de Aborto Legal se constituiu como o primeiro serviço de aborto previsto por lei no Brasil.




Adotada em Belém do Pará, Brasil, no dia 9 de junho, a Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher -Declaração de Belém do Pará - da Organização dos Estados Americanos - OEA reiterou o princípio da igualdade entre os sexos e a obrigatoriedade de adotar ações afirmativas para assegurar essa igualdade como preconizou o Programa de Ação do Cairo/1994.



De 5 a 13 de setembro, no Cairo/Egito, foi realizada a Conferência Internacional sobre População e Desenvolvimento – CIPD – com a presença de 179 países. No Brasil, o processo preparatório foi devidamente acompanhado pela Rede Feminista de Saúde e demais organizações feministas e de mulheres, que no Cairo vão influenciar nos debates. A Rede fez parte da delegação oficial. O Programa de Ação do Cairo introduziu um novo foco indo ao encontro das necessidades e preferências da saúde reprodutiva de mulheres e homens como indivíduos, ao invés de atingir apenas alvos demográficos. A saúde reprodutiva passa a ser tratada como uma questão de desenvolvimento e de direitos humanos. A proteção e a promoção de direitos relativos à saúde sexual e reprodutiva foram amplamente discutidas e passaram a ser um novo paradigma.

example6
A edição de dezembro de 1994 do Jornal da Rede apresenta como matéria de capa uma crítica à campanha publicitária desenvolvida pelo Programa Nacional DST/Aids, do Ministério da Saúde. E abre suas páginas centrais para um balanço da Conferência Internacional de População e Desenvolvimento - Cairo/94.










Rede Nacional Feminista de Saúde Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos | Av. Salgado Filho, 28/601 - Porto Alegre/RS .:. Fone: (51) 3212.4998 - redesaude@redesaude.org.br